O Tiro Prático | FGTP
Foto de Paulo R. Oliveira Foto Tiro de Rifle2 Foto de Paulo R. Oliveira Foto Tiro de Rifle4 Foto Tiro de Rifle6 Foto de Paulo R. Oliveira Foto Tiro de Rifle8 Foto de Paulo R. Oliveira Foto de Paulo R. Oliveira

O que é TIRO PRÁTICO?

Historicamente a criação desta modalidade de tiro é atribuída ao ex-coronel da marinha norte-americana, de nome Jeff Cooper, que em 1956, estabeleceu critérios de regulamentos e uma forma de pontuação em que era dado mais valor, no alvo, aos tiros dados com a pistola .45 (maior potência) do que às de outros calibres.

Logo em seguida, numa das competições, um atirador de nome Jack Weaver, espantou aos demais ao utilizar as duas mão para segurar a arma, vindo a ganhar a mesma, numa época em que o politicamente correto era segurar a arma com apenas uma das mãos, como no tiro olímpico.

Tal mudança na empunhadura da arma talvez seja uma das principais características de diferenciação entre o tiro prático e o olímpico, além, é claro, do tempo de tiro, já que na primeira modalidade impera a velocidade de deslocamento e tiro, em distâncias variadas, e na segunda, o disparo é feito a uma distância padrão, sendo a precisão obtida pelo posicionamento correto do atirador, pela respiração controlada, empunhadura, visada, etc.

Com o tempo essa modalidade não olímpica veio a ser administrada internacionalmente pela “International Practical Schooting Confederation - IPSC”, ou seja, Confederação Internacional de Tiro Prático.

No Brasil o tiro prático engloba várias modalidades de tiro, como: IPSC, IPSC Light, tiro de rifle, silhueta metálica, saque rápido, NRA, etc.

"Alvos múltiplos, alvos que se movem, alvos que reagem quando alvejados, penalidades ao alvejar alvos não permitidos misturados ou cobrindo parcialmentes os outros alvos, obstáculos, movimento, táticas de competição, e, em geral, qualquer outra dificuldade que o desenhista de pistas invente se combinam para manter o entusiasmo dos atletas e o divertimento dos espectadores. As regras da IPSC incentivam a diversificação das pistas para evitar que o esporte fique restrito a um determinado tipo de pista. De fato algumas competições possuem alvos escondidos que aparecem de repente sem que os atletas saibam da sua localização prévia. "
Fonte: http://www.cbtp.org.br/ipsc.htm#IPSC

O Range Officer (árbitro) acompanha o atirador durante todo o percurso e manuseio da arma, o que confere plena segurança ao esporte.

Conhecimento sobre as armas utilizadas, equipamentos, regulamentos e em especial sobre os quesitos de segurança, são imprescindíveis aos praticantes de qualquer modalidade do tiro prático.